Lisboa, em dia de temporal

Novembro 23, 2006

Lisboa, em dia de tempestade: um cemitério de abrigos a cada esquina, um depósito de inutilidades abandonadas na berma, esqueletos de varetas dobradas a meia haste largados de mão, caídos rente às sarjetas. Como corpos. Frágeis. Desnecessários. Supérfulos, agora. Por todos os cantos a imagem afogada dos essenciais dispensáveis – afinal, tão dispensáveis! -, o prosseguido passo adiante, após a ligeireza dos dedos que se abrem e desenvencilham do tropeço. Lisboa, em dia de temporal. Como não guardava na memória que pudesse ser: um denso céu de chumbo a vomitar água em dilúvio, a ventania a sacudir o avesso das coisas, as coisas pelo avesso, e a noite a chegar demasiado cedo. Como se o tempo fosse um absurdo sem razão, sem lugar à memória de uma qualquer outra lembrança que o pudesse ainda amainar. Em tempestade. Em dia de temporal. Lisboa: assim.  

Advertisements

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: