Script #24 | Quando ‘tudo’ já só quer dizer ‘nada’

Outubro 18, 2006

fugas.jpg

E se eu te disser que o nosso melhor tem gosto de nada e de coisa nenhuma?!… Talvez te assustasses como me assustei um dia e isso te afugentasse para sempre como não me afugentou a mim. Se eu te dissesse o que não digo… por ter perdido a vontade das palavras e dos sentidos, antes de perder a vontade dos músculos… e por não querer parecer-te erradamente nostálgica de tudo o mais que já não me importa… nem demasiado  saudosa de um idílio que nem sequer sei se ainda me interessa… por não te querer enganar na ilusão de uma preocupação que já não tenho…

A verdade é que, hoje, para mim, tudo o que só se repete a espaços não é mais que um acidente a não merecer grande caso. Que o leias nos meus sinais, se estiveres para isso.

Seja como for, já deverias ter suspeitado que nem o que se sabe de cor poupa o efémero de ficar sempre e irremediavelmente aquém.

Assim sendo, não nos alonguemos para lá do que é necessário. Não é razoável querer ir mais além do que o corpo nos chega. 

Dorme bem, Amor!

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: