Esta manhã, a minha alma de condor voltou a fugir do fio de nylon onde a trago presa

Julho 18, 2006

luis-zarate_pintor-oaxaqueno.jpg

aspas_azuis21.jpg  Soy la hija de un hombre de piedra
La serpiente con el viento parió
Nací del color de la tierra
De un baño de vapor y de fuego

Gravura de Luiz Zarate, pintor oaxaqueño. Versos de Lila Down, extraídos de “Semilla de Piedra“.

Anúncios

2 Respostas to “Esta manhã, a minha alma de condor voltou a fugir do fio de nylon onde a trago presa”

  1. Miguel Vital Says:

    Belíssima gravura, com cores quentes de um imaginário forte e acolhedor. Versos sentidos de quem comunga um traço de vida inquieta, porque sentida e comungada com os seus semalhantes.


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: